Foto ilustrativa
A Associação dos Funcionários da Justiça do Maranhão – ASFUJEMA e o Instituto Semeando Vidas – ISVI iniciam,em Balsas, sul do Maranhão, ciclo de palestras no dia 30 de junho, sobre drogas na escolas, efeitos e consequências,com o tema: “Semeando vidas: da infância para a vida toda, porquedroga mata!”.
O projeto de prevenção é um ciclo de palestras a ser executado com atividades complementares em parceria com todo o Sistema Judiciário (Tribunal de Justiça do Maranhão, Promotoria de Justiça do Maranhão, Defensoria Pública, Polícia Rodoviária Federal, Polícias Federal, Estadual e Civil), Governo do Estado, Prefeituras Municipais e a sociedade civil.
Dessa forma, ‘SEMEANDO VIDAS: DA INFÂNCIA PARA A VIDA TODA, PORQUE DROGA MATA!’ tem como foco oferecer informação ao jovem estudante, nosseus aspectos médicos, sociais, históricos e morais por meio daspalestras que serão ministradas pelas autoridades constituídas,instituições e profissionais com trabalhos afins.
O projeto também irá apontar, de forma conjunta, estratégias e práticas para o enfrentamento e combate as drogas. A principal meta do projeto é garantir o processo de conhecimento, aprendizagem e esclarecimentos acerca das drogas.
Como instituição ligada ao Judiciário, a Asfujema se organiza como articuladora e facilitadora do Projeto Semeando Vidas diante dos instrumentos legais e representantes da Justiça e Segurança Pública nas ações desenvolvidas no Estado e Município pelo InstitutoSemeando Vidas – ISVI no sentido de contribuir na formação de uma sociedade mais informada, levando conhecimento como ferramenta para auxiliar crianças, jovens e famílias a terem uma atitude adequada, acertada e esclarecida com relação às drogas.
O Ciclo de Palestras acontecerá por 03 anos em todo Maranhão dirigido a todos os jovens, estudantes e universitários, profissionais ligados a educação e à saúde, gestores municipais, líderes comunitários, assistentes sociais, autoridades do Judiciário, executivo e Legislativo, bem como órgãos fiscalizadores, profissionais autônomos, ongs, entidades culturais e classistas, empresários, famílias e a sociedade.
Informação complementar:
As drogas são reconhecidas pela Associação Brasileira de Psiquiatria como um grave problema de saúde pública, e por todos os governos domundo como uma grave ameaça à humanidade, sendo a família, vítima direta dos seus efeitos.
Avançando fronteiras e desconhecendo idade,sexo, classe social e tudo que se opor a elas, estudos e pesquisas defendem que a forma mais eficaz de combatê-las é a informação. Uma das maiores autoridades do assunto no Brasil, o juiz aposentado e ex-secretário nacional sobre drogas, Walter Fanganiello Maierovitch, diz que a única coisa certa sobre as drogas é a necessidade de haver informação, e que a mesma precisa ser de qualidade e estar desvinculada da moral, do poder econômico e das forças políticas.

DEIXE UMA RESPOSTA