Mais sólido e juridicamente correto o IDERB – Instituto de Defesa do Rio Balsas concretizou a 3ª Expedição, 02 e 03/09, às nascentes com número maior de entidades governamentais e grupo seleto de pessoas (75 pessoas em 17 carros) que representaram a sociedade civil. Entre os participantes desta expedição, o IDERB contou, além de seus integrantes ativos, que compõem a mesa diretora e membros, com representante da SEMA – Secretaria do Meio Ambiente do Estado Livio Baldez, da Assembleia Legislativa do MA (equipe da TV Assembleia – coordenada por Paulo Henrique), do Ibama Marcos Miranda, da Secretaria Municipal do Meio Ambiente Rui Arruda, do Ministério Público engenheira ambiental Larissa Paixão, do ICMBio – Instituto Chico Mendes Biodiversidades Dejacy da Silva Rêgo, da Câmara de Vereadores do município, representada por Gilson da Bacaba (PRB), Profº Nelson Ferreira (PROS), Sgtº Lusivaldo Lira (PMB), vereador Painha (DEM) e Paulinho Massao (PROS). A 3ª Expedição também contou com o apoio da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros de Balsas, Samu, Polícia Ambiental do estado, UFMA professoras Débora Batista e Claudiceia, Conselho Tutelar Dalma Mesquita, TV Mirante, TV Record, TV ALMA, TV Canal da Câmara Municipal de Balsas, Jornal Folha do Cerrado (impresso e on line), Diário de Balsas.

Após uma longa viagem (270 km) até as cabeceiras do rio Balsas, mais precisamente no Povoado Limpeza, a equipe do IDERB reuniu-se com os órgãos circunstanciais para redirecionar as últimas coordenadas rumo aos objetivos. Cada um dos expoentes da Expedição pode colocar sua posição diante dos trabalhos a que foram convidados e comumente, após traçadas as metas e mapeados os cronogramas, foi dada a largada às nascentes.

A primeira impressão foi tirada sobre uma nova ponte, construída pelos próprios ribeirinhos, que atravessa o estreito início do rio Balsas, onde observou-se uma baixa irrisória das águas no período. Para os moradores, cada ano que passa nota-se a diminuição do nível das águas que vem das nascentes, o que foi proposto um demarcador de nível naquele ponto.

Ao depararem com covas vazias de algumas nascentes, Livio Baldez, representante da SEMA, disse que “as expedições são feitas para elaboração de relatórios para entenderem as dinâmicas e comportamentos dos moradores e produtores da região, pois a Sema pretende criar uma unidade mais restritiva nesta região por ser uma área habitat das araras e sem alimentação natural os animais são afetados.”.

O secretário do Meio Ambiente de Balsas Rui Arruda acrescentou que “esta Expedição formada por pessoas de grande influência em relação ao meio ambiente, com autoridades do âmbito municipal, estadual e federal, técnicos que estão para reforçar a luta do IDERB poderão informar melhor para denunciar as agressões que a região vem sofrendo, pelo desmatamento sem permissão. Com o Ministério Público participando também desta Expedição nós vamos tomar as providências cabíveis para a reparação do meio ambiente.”.

 

Larissa Paixão observa mudas de Acácias plantadas próximo às nascentes.

Por todas as partes, Larissa Paixão, do Ministério Público Estadual, registrou as deficiências encontradas para a diminuição ou eliminação das nascentes. Se de um lado a engenheira enxergou pisoteamento de animais domésticos, por outro ela pode observar correntões deixados em meio à floresta derrubada, queimadas criminosas onde futuras plantações de grãos ou capim substituirão a vegetação que protegia as nascentes. Bem próximo a esta mesma, a tentativa de reflorestamento com árvores como Acácias foram plantadas (observadas pela engenheira do MPE, Larissa Paixão), mudando o ecossistema natural das nascentes.

2ª Expedição (2016), vereadores ostentam uma placa indicativa de área de reserva legal. 3ª Expedição (2017). A mesma área devastada e gradeada.

Uma parada obrigatória, atraída por uma recente derrubada, causou o espanto de toda a equipe. A área onde uma placa alerta para um reflorestamento e que estaria à venda nos anos anteriores, já se encontrava devastada por correntões e gradeada para plantio, à beira das nascentes, o que deve ter provocado a seca total de algumas delas.

Sábado, 02/09, à noite, após o retorno de vistoria às nascentes e de toda a região por onde a degradação e agressões estavam à prova de qualquer crime à natureza, uma mesa redonda foi montada no pátio da casa que deu hospedaria à Expedição e todos os participantes puderam enfatizar suas conclusões e comentar sobre o que observaram, registraram e o que farão com os relatórios descritos em seus departamentos, em âmbito municipal, estadual e federal.

Na manhã de domingo, 03/09, mais vistorias continuaram em outras nascentes secas e áreas de reservas desmatadas. Em seguida, os alunos da Escola Municipal José Antonio de Lima e Santa Luísa chegaram e participaram de palestras proferidas por Dalma, representante do Conselho Tutelar, onde tentou da melhor maneira esclarecer as crianças sobre a defesa contra violência (doméstica e sexual), cedeu-lhes panfletos e depois foi a vez dos alunos da UFMA, que orientados pela professora Débora Batista, falaram sobre os problemas dos desmatamentos e os cuidados que os ribeirinhos devem ter com a natureza e o Meio Ambiente.

Miranda Neto, presidente do IDERB e coordenador da 3ª Expedição, antes de agradecer a todos por mais uma oportunidade de realizar o evento e pela participação dos órgãos governamentais que focaram-se em pesquisas, finalizou o evento falando para os alunos e moradores da região sobre a finalidade e onde irão chegar os resultados desta Expedição. Miranda disse que “esta 3ª Expedição ecológica e social tem uma importância muito grande para o momento. Até agora não vimos nenhum órgão tomar as devidas medidas cabíveis para impedir o desmatamento. É importante, em caráter de urgência e depois de vermos o que está acontecendo, juntar todos os relatórios, atas e material coletado nesta Expedição para levarmos às autoridades competentes. Para que tomem alguma iniciativa e julguem da forma mais abrangente e frear com a degradação do meio ambiente juntamente com os produtores e ribeirinhos que causam os desmatamentos. Nosso interesse é fiscalizar e educar as pessoas moradoras desta região e do governo é tomar providências para salvar vidas que dependem destas nascentes.”. Finalizou o presidente.

Os moradores, adultos e crianças, receberam roupas, utensílios e brinquedos durante o encerramento da Expedição e ficaram lisonjeados com tamanha atitude que a Ong IDERB tem impressionado nesta 3ª Expedição.

A professora da localidade São Pedro, Felismar, disse que “este evento é muito bom para que os alunos possam aprender muito mais sobre o meio ambiente”.

DEIXE UMA RESPOSTA