Enfermeira Mônica Calazans, de 54 anos, é a primeira brasileira a receber dose da vacina Coronavac

A vacinação contra a covid-19 no estado de São Paulo, iniciada no domingo, vai continuar nesta segunda-feira, 18, no Hospital das Clínicas da capital paulista. O início foi programado para as 07h00. Serão vacinados profissionais de saúde que estão na linha de frente do combate à doença.

Pouco mais de cem pessoas já receberam o imunizante, logo após a CoronaVac ser aprovada para uso emergencial pela Anvisa, ontem. A enfermeira Mônica Calazans, que trabalha na UTI do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, foi a primeira pessoa vacinada no país.

O ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, reafirmou ontem que o plano nacional de vacinação começaria na próxima quarta-feira, 20, às 10h00. Mas, em discurso na manhã desta segunda, orientou os governadores a iniciarem a imunização ainda nesta segunda.

A CoronaVac é desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan, ligado ao governo paulista. As doses distribuídas aos estados sairão do Centro de Distribuição Logística do Ministério da Saúde, em Guarulhos, na Grande São Paulo.

30 mil profissionais de saúde do HC

O HC de São Paulo disponibilizou um galpão para vacinar todos os 30 mil funcionários do hospital nesta semana, a partir desta segunda. A campanha acontecerá no Centro de Convenções Rebouças, um anexo do hospital, onde estarão situadas 30 estações de vacinação, que funcionarão 12 horas por dia, das 07h00 às 19h00.

O cronograma anunciado anteriormente pelo governo, que previa datas para idosos e outros grupos, deixa de valer neste momento. Ou seja, ainda não é hora de se dirigir a postos de vacinação.

Segundo o governo de São Paulo, os profissionais de saúde do complexo do Hospital das Clínicas serão convocados em horários separados para evitar aglomerações. Cada pessoa receberá uma dose da vacina e, depois de 21 dias, a segunda dose, fechando a imunização completa.

A Anvisa também aprovou o uso emergencial da vacina Osxford/AstraZeneca, desenvolvida pela Universidade de Oxford e pelo laboratório AstraZeneca, com Fiocruz. Mas ainda não há doses do imunizante no Brasil.

Distribuição para hospitais do interior

A previsão é que dezenas de caminhões refrigerados partam da sede do Instituto Butantan, em São Paulo, para distribuir doses, seringas e agulhas para iniciar a vacinação nos Hospitais das Clínicas de Ribeirão Preto, Campinas, Botucatu, Marília e o hospital de Base de São José do Rio Preto.

Essas unidades foram escolhidas para receber as doses porque registram os maiores fluxos de pacientes com covid-19 no estado. Ao todo, devem ser vacinados ao longo da semana 60 mil funcionários, segundo o governo estadual.

Ainda hoje, doses de CoronaVac e insumos serão enviadas aos polos regionais de redistribuição às prefeituras do estado, para que cada município dê sequência na vacinação dos seus profissionais de saúde e membros de comunidades indígenas.

O governo também afirma que a campanha de imunização será desenvolvida segundo a disponibilidade das remessas de vacina do Ministério da Saúde.

A previsão da Secretaria Estadual da Saúde de São Paulo é que 4.636.936 doses da CoronaVac sejam distribuídas para os outros estados do Brasil. Com isso, o Butantan deixa 1.357.640 doses em SP.

 

Fonte UOL

DEIXE UMA RESPOSTA