Novembro Azul: câncer de próstata afeta 1 a cada 6 homens

    0
    287

    Devido à alta incidência da doença, é fundamental a realização de check-up anual para diagnóstico precoce e maior chance de cura

    [xyz-ips snippet="Banner-728x90"]

     

    O câncer de próstata é a segunda doença maligna mais comum entre os homens, ficando atrás apenas do câncer de pele. A boa notícia é que, quando diagnosticado ainda em fase inicial, isto é, restrito aos limites da próstata, a probabilidade de cura fica acima de 90%. Por isso, o mês de novembro é dedicado a relembrar os homens sobre a importância do exame de rotina.

     

    De acordo com o urologista do Hcor, Dr. Antonio Corrêa Lopes Neto, a idade ideal para iniciar o check-up pode ter uma pequena variação. “Em geral, o recomendado é que homens comecem a realizar os exames a partir dos 50 anos. No entanto, caso haja histórico da doença na família, recomendamos antecipar para 40-45 anos. Da mesma forma, indivíduos da raça negra devem se preocupar mais precocemente também”, orienta.

     

    Para verificar a saúde da próstata, o médico pode solicitar três exames: dosagem do PSA no sangue (um biomarcador de câncer), exame de toque prostático e, eventualmente, ressonância da próstata. “Habitualmente, a neoplasia de próstata não apresenta sinais em uma fase inicial. Por isso, sempre explicamos para os homens que a ausência de sintomas não exclui a possibilidade de ser portador dessa doença. Apenas com os exames é que poderemos avaliar adequadamente”, alerta o Dr. Neto.

     

    Havendo suspeita da doença a partir do check-up realizado, o médico solicita a biópsia da próstata, para verificar se há malignidade e avaliar a melhor conduta para combater o câncer. “Atualmente, existem excelentes opções de tratamento para todos os estágios da doença. O avanço tecnológico e o melhor conhecimento da anatomia prostática resultaram em cirurgias menos mórbidas, com menores complicações e ótimos resultados oncológicos-funcionais. A radioterapia também passou por uma grande evolução e apresenta bons resultados com poucas complicações. Hoje, também contamos com uma grande variedade de medicamentos eficientes, principalmente para doenças mais avançadas”, explica o especialista.

     

    Impacto da pandemia

    Durante a crise sanitária da Covid-19, houve uma grande redução na realização de exames de rotina, entre eles o de dosagem de PSA no sangue. Na comparação com janeiro a setembro de 2019, o Hcor registrou uma redução de quase 30% em 2020 e de mais de 7% em 2021. Apenas neste ano é que a instituição apresentou um crescimento de cerca de 5%, comparado ao mesmo período de 2019.

     

    “Ao postergar a realização do check-up, aumenta-se a chance de diagnosticar o câncer já em estágio mais avançado. O ideal é que os exames sejam realizados todos os anos, a partir da idade recomendada pelo médico. A coleta do sangue para a dosagem de PSA, por exemplo, pode ser realizada até mesmo na própria residência do paciente”, ressalta o Dr. Neto.

     

    Alerta vermelho

    Ainda que o câncer de próstata não apresente sintomas em estágios iniciais, devido ao atraso na realização de exames ocasionado pela pandemia de Covid-19 e ao constrangimento dos homens em realizar o exame de toque prostático, podem ser percebidas algumas alterações, como:

    • Ardência ou dor ao urinar;
    • Micção frequente;
    • Gotejamento de urina após micção;
    • Fluxo urinário fraco ou interrompido;
    • Vontade de urinar frequentemente à noite (Nictúria);
    • Sangue na urina ou no sêmen;
    • Disfunção erétil;
    • Dor no quadril, costas, coxas, ombros ou outros ossos;
    • Fraqueza ou dormência nas pernas ou pés.

    “Ao notar qualquer mudança é necessário procurar um médico para realizar os exames adequados e descobrir a causa. Quanto antes o problema for diagnosticado, maiores serão as chances de cura e menores serão os impactos na qualidade de vida”, finaliza o urologista do Hcor, Dr. Antonio Corrêa Lopes Neto.

    O Hcor atua em mais de 50 especialidades médicas, entre elas Cardiologia, Oncologia, Neurologia e Ortopedia, além de oferecer um centro próprio de Medicina Diagnóstica. Possui Acreditação pela Joint Commission International (JCI) e diversas certificações nacionais e internacionais. Desde 2008, é parceiro do Ministério da Saúde no Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (PROADI-SUS).
    Instituição filantrópica, o Hcor iniciou suas atividades em 1976, tendo como mantenedora a centenária Associação Beneficente Síria. Além do escopo assistencial, o hospital conta com um Instituto de Pesquisa, reconhecido internacionalmente, que coordena estudos clínicos multicêntricos com publicações nos mais conceituados periódicos científicos. Também está à frente de um Instituto de Ensino, que capacita e atualiza milhares de profissionais anualmente e é certificado pela American Heart Association.

    DEIXE UMA RESPOSTA

    três × cinco =