Mulheres sentem o impacto da inflação e não esperam recuperação da economia este ano

    0
    288

    Pesquisa RADAR FEBRABAN realizada no Nordeste mostra que impacto sobre preço de alimentos e outros produtos de consumo doméstico preocupa 86% das entrevistadas

     

     

    Agravada pelo conflito entre Ucrânia e Rússia, a crise preocupa as mulheres e faz com que elas não tenham grande expectativa com relação à recuperação da economia ainda em 2022. No Nordeste, apenas 16% delas apostam nessa recuperação este ano; outras 55% acreditam na retomada somente a partir de 2023.

     

    Porém, a esperança entre o público feminino de uma recuperação da situação financeira familiar é maior: 35% pensam que isso acontecerá ainda este ano e outros 37% aguardam essa melhoria apenas em 2023.

     

    Essas expectativas foram reveladas pela mais nova rodada da pesquisa Radar FEBRABAN na região Nordeste, realizada exclusivamente com a população feminina, entre os dias 19 de fevereiro e 2 de março.

     

    Conforme a pesquisa, 25% esperam que a recuperação do país deve acontecer ainda este ano; e 51% projetam essa retomada apenas em 2023.

     

    A alta da inflação é definitivamente uma preocupação das mulheres na região: 93% delas detectaram uma elevação muito alta do preço dos produtos de 2021 para 2022, e 72% apostam no aumento da inflação e do custo de vida. Para elas, o maior impacto da inflação será no consumo de alimentos e outros produtos de abastecimento doméstico (86%), enquanto para 33% existe a preocupação com a pressão inflacionária sobre o preço do combustível.

    Elas esperam um aumento de 49% do desemprego nos próximos seis meses; 43% apostam numa diminuição do poder de compra; e 76%, no aumento da taxa de juros.

     

    Na pesquisa, 35% falaram que haverá aumento no acesso ao crédito das pessoas e empresas. Para eventuais sobras do orçamento familiar, 30% pretendem aplicar na poupança e 26% na compra de imóvel.

     

    *Avaliação dos bancos* — segundo a pesquisa, a confiança das mulheres nos bancos atinge 65%. Nas empresas privadas em geral, essa confiança é de 54%.

     

    *Golpes* — Embora os golpes envolvendo instituições bancárias ganhem o noticiário, a maior parte das entrevistadas afirmou não ter sido vítima de qualquer deles (apenas 20% passaram por algum tipo de experiência do gênero). Entre aquelas que afirmaram ter sido vítimas, a clonagem ou troca de cartão e o envio de whatsapp com pedido de dinheiro são os golpes mais recorrentes (28%).

     

    “Com o recuo das estatísticas mais negativas da pandemia e o retorno às atividades presenciais do comércio, prestação de serviços, educação e outras, o cenário do país indica o início da retomada e recuperação. Mas esta pesquisa *RADAR FEBRABAN* mostra que o cenário econômico adverso está contaminando as expectativas de recuperação, particularmente diante dos efeitos da guerra na Europa”, aponta o cientista político e sociólogo Antonio Lavareda, presidente do Conselho Científico do Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (IPESPE), responsável pela pesquisa.

    DEIXE UMA RESPOSTA