Hoje é dia do Braille: Responsabilidade de todos

    0
    316

    Desde os primórdios, a humanidade busca por recursos tecnológicos para facilitar a sua vida na Terra. Isso o levou a descoberta do fogo, a invenção da roda e ao desenvolvimento da linguagem. Há cerca de 5 mil anos, caracteres gráficos começaram a ser utilizados pelas mais diversas civilizações como um meio de comunicação.

     

    Para as pessoas cegas, porém, a comunicação escrita só teve início milênios depois, em 1825, quando um sistema revolucionou a vida dessas pessoas: o Braille. Com seis pontos que, combinados entre si, permitem a representação do alfabeto, números e simbologias, a técnica leva o nome de seu criador, Louis Braille, e se tornou pioneira ao permitir mais autonomia e independência das pessoas com deficiência visual.

     

    Hoje, 4 de janeiro, é Dia Mundial do Braille. E, mesmo com todos os avanços tecnológicos, este continua sendo o único método eficaz de alfabetização de crianças e adultos cegos.

     

    Considerado um sistema universal e natural de leitura e escrita, o Braille pode ser adaptado a todos os alfabetos do mundo – recentemente, ganhou escrita Guarani, no Paraguai. Além disso, é o único meio que permite o contato direto das pessoas cegas com os textos escritos, acionando a mesma área do córtex cerebral que é utilizada com a leitura visual.

     

    Ou seja: a alfabetização de uma criança cega por meio do Sistema Braille é imprescindível para o seu desenvolvimento neuropsicomotor. É somente lendo textos impressos ou por meio de uma linha Braille que essa criança vai aprender ortografia e toda a simbologia das diferentes áreas do conhecimento (português, matemática, física, etc).

     

    Nos últimos anos, contudo, o advento de novas tecnologias tem se sobreposto a esse método. Recursos como tablets e computadores, livros falados e digitais, leitores de tela, internet, smartphones e tantos outros, ao mesmo tempo que ajudam na educação e profissionalização das pessoas com deficiência visual, se tornam um risco para extinção do sistema.

     

    Há algum tempo, Fredric K. Schroeder, vice-presidente da Federação Nacional dos Cegos dos EUA, vêm alertando para o fato de que cerca de 90% das crianças cegas americanas já estão crescendo sem aprender a ler e escrever. Para o especialista, isso acontece justamente porque elas estão optando por recursos digitais em detrimento ao Braille, preferindo uma leitura passiva e não estimulante. É um fenômeno que muitos chamam de desbraillização.

     

    Se essa realidade não for mudada, em breve todas as crianças que nascerem cegas ou que perderem a visão na primeira infância, serão consideradas analfabetas funcionais.

    E a quem cabe a responsabilidade de impedir essa grande tragédia? A todos.

     

    As famílias devem conhecer e se orgulhar do sistema natural de escrita e leitura utilizado por seus filhos cegos, participando e incentivando a sua alfabetização. Os professores precisam conhecer o Sistema Braille, estarem conscientes da sua importância e buscarem recursos para proverem a educação inclusiva. A comunidade escolar deve entender que o esse sistema não é algo folclórico, e sim um recurso capaz de oferecer às crianças cegas as mesmas oportunidades de aprendizado oferecidas às videntes.

     

    E mais: as instituições especializadas devem conscientizar os pais ou responsáveis sobre essa importância, incluindo-os nas atividades relacionadas ao Braille de maneira lúdica, e destruindo atitudes negativas e preconceituosas. Os governantes devem garantir a oferta de livros didáticos de qualidade, adaptando-os de acordo com as necessidades de cada um. As editoras de livros, ao elaborarem o texto de obras didáticas, devem ter plena consciência de que este conteúdo será compartilhado por públicos com diferentes necessidades. Enfim, todos tem um papel fundamental.

     

    Se cada um desses segmentos assumir de fato a sua responsabilidade, o Braille poderá ser oferecido e aproveitado em toda a sua genialidade, como um sistema que por quase 200 anos vem permitindo que milhares de pessoas cegas vivam com independência e autonomia.

     

    Por Regina Oliveira, Coordenadora de Editorial e Revisão da Fundação Dorina Nowill para Cegos e Membro do Conselho Ibero-Americano do Braille

     

    Sobre a Fundação Dorina Nowill para Cegos
    A Fundação Dorina Nowill para Cegos é uma organização sem fins lucrativos e de caráter filantrópico. Há 75 anos se dedica à inclusão social de crianças, jovens, adultos e idosos cegos e com baixa visão. A instituição oferece serviços gratuitos e especializados de habilitação e reabilitação, dentre eles orientação e mobilidade e clínica de visão subnormal, além de programas de inclusão educacional e profissional.

    Responsável por um dos maiores parques gráficos de braille no mundo, com capacidade de impressão de até 450 mil páginas por dia, a Fundação Dorina Nowill para Cegos é referência na produção e distribuição de materiais nos formatos acessíveis braille, áudio, impressão em fonte ampliada e digital acessível, incluindo o envio gratuito de livros para milhares de escolas, bibliotecas e organizações de todo o Brasil.

    A instituição também oferece uma gama de serviços em acessibilidade, como cursos, capacitações customizadas, sites acessíveis, audiodescrição e consultorias especializadas. Com o apoio fundamental de colaboradores, conselheiros, parceiros, patrocinadores e voluntários, a Fundação Dorina Nowill para Cegos é reconhecida e respeitada pela seriedade de um trabalho que atravessa décadas e busca conferir independência, autonomia e dignidade às pessoas com deficiência visual. Mais detalhes no site .

    DEIXE UMA RESPOSTA