Dia do Estudante: conheça dicas para definir qual profissão seguir  

    0
    488

    Especialista comenta sobre quais quesitos os estudantes podem levar em consideração antes de escolherem uma graduação

    Dia 11 de agosto, celebrou-se o Dia do Estudante. A data, que relembra a criação das duas primeiras faculdades do Brasil, marca o ponta pé inicial para a valorização do ensino como ferramenta para o desenvolvimento e formação profissional de novas gerações.

    O momento de escolher uma carreira pode gerar muitas dúvidas, medos e incertezas nos jovens, principalmente naqueles que acabaram de sair do ensino médio.

    De acordo com dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) 53,2% das pessoas com 25 anos ou mais de idade concluíram a educação básica obrigatória; ou seja, possuíam, no mínimo, o ensino médio completo em 2022.​ Já o percentual das pessoas da mesma faixa etária com nível superior completo, era de 19,2% no mesmo ano.

    Diretora da Faculdade Pitágoras, Loianne Magalhães destaca que a preocupação e dificuldade de escolha é completamente normal, pois envolve fatores diversos. “Considerar o segmento que reconhece maior afinidade é um ponto inicial na escolha. Além da escolha da instituição de ensino, é preciso analisar se oferece modalidades a distância, presencial e EAD, que esteja de acordo com a rotina do estudante”, explica.

    Além desses fatores, existe uma preocupação extra que costuma afetar muitos jovens: a interferência da família. Uma pesquisa realizada pelo LinkedIn apontou que 26% dos entrevistados confirmaram a pressão familiar na escolha da profissão. Oferecer apoio é essencial, mas respeito às escolhas pode garantir o sucesso profissional do filho.

    A educadora elenca outros pontos para ajudar os jovens na escolha da graduação:

    Escolha do curso e onde estudar: Um jeito interessante de começar a escolher sua faculdade é pensar nas áreas ou disciplinas com as quais você tem maior afinidade. Por exemplo, se você ama estudar Matemática e Física, cursos da área de Exatas, como Engenharia Civil, Estatística e Ciência da Computação podem ser uma excelente aposta. Já quem tem mais facilidade com Linguagens, Sociologia, História e Geografia pode se dar bem em um curso da área de Humanas, como Letras, Direito, Psicologia ou Administração. Existe ainda a área de Ciências Biológicas, que tem muito a ver com Química e Biologia, e abrange vários cursos ligados à saúde como Enfermagem e Odontologia.

    Autoconhecimento: Comece entendendo seus interesses, valores, habilidades e personalidade. O que você gosta de fazer? No que você é bom? O que realmente importa para você em uma carreira? Pesquise profundamente as opções de carreira que você está considerando. Saiba quais são as demandas da profissão, as oportunidades de emprego, as perspectivas de crescimento, a remuneração média e os requisitos educacionais.

    Mercado de Trabalho: Analise as tendências do mercado de trabalho. Algumas áreas podem estar em alta demanda atualmente, mas podem mudar ao longo do tempo. Tente escolher uma carreira que tenha perspectivas de longo prazo.

    Não se preocupe se errar: É comum achar que decidir a graduação é um momento de “tudo ou nada” e que não há espaço para erros. É claro que todos querem fazer a escolha mais correta, mas caso perceba ao longo do caminho que a decisão deve ser mudada, está tudo bem. Notando que prefere outra área, é hora de refazer suas análises e planejar a mudança. As transformações fazem parte do caminho e, na verdade, são muito bem-vindas. O importante é estar em um ambiente saudável, feliz e capaz de fazer o que gosta.

    Siga a profissão que te deixa feliz: Se você seguir a profissão que deixa feliz, com certeza terá sucesso na carreira, pois irá realizá-la com dedicação e paixão. Além disso, terá mais motivação, pois você se sente realizado. Isso te torna um profissional mais produtivo e disposto a trabalhar duro para alcançar resultados satisfatórios.

    Testes Vocacionais: Existem diversas modalidades para realizar a orientação vocacional e, em geral, são analisados cinco aspectos de cada estudante: o perfil psicológico, as preferências pessoais, as habilidades naturais, os objetivos e a personalidade do paciente. O exame acontece por meio de entrevistas e testes para identificar os níveis de interesse em assuntos variados, além das formas de raciocínio e de memória dos alunos que podem ser aproveitadas em diferentes carreiras. A avaliação pode ser feita de forma on-line por meio de algumas plataformas.

    DEIXE UMA RESPOSTA