Casamentos no Maranhão crescem 54% com lei que reduziu os prazos em Cartório

    0
    287

    No primeiro mês de vigência da Lei Federal nº 14.382/22, celebrações atingem recorde no ano e maior número nos primeiros oito meses desde 2019. Maranhão registra também quase 50 alterações de primeiro nome.

     

     

    O Maranhão registrou um aumento de 54% no número de casamentos civis um mês após a entrada em vigor da Lei Federal nº 14.382/22, que reduziu os prazos de habilitação e celebração do matrimônio. O novo texto legal também possibilitou que 49 pessoas no estado modificassem seu primeiro nome diretamente em Cartório de Registro Civil, de forma imotivada e em qualquer idade, sem a necessidade de entrar com ação judicial.

     

    Segundo os dados apurados pela Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Brasil (Arpen/MA), responsáveis pelos atos de nascimentos, casamentos e óbitos em todo o território maranhense, o mês de julho deste ano, primeiro desde a vigência da nova legislação federal, registrou um total de 1.785 casamentos, 54% a mais que o verificado em junho, quando foram realizadas 1.158 celebrações.

     

    No acumulado do ano, incluindo o mês de agosto, o Maranhão registrou um total de 8.855 casamentos, quase 2% maior que o verificado no mesmo período de 2021, quando foram realizados 8.693 matrimônios. Se comparados com o auge da pandemia em 2020, quando as celebrações caíram drasticamente e foram registradas 7.224 celebrações, o aumento no ano foi de 22,5%.

     

    “Mesmo nos primeiros meses, já conseguimos notar a diferença nos Cartórios do estado, a nova lei que reduz os prazos de habilitação e celebração veio para agilizar os processos na hora do matrimônio, fazendo com que em alguns dias o casal oficialize o casamento, além disso, mantém a segurança do cidadão que solicita o serviço”, disse Gabriella Caminha, presidente da Arpen/MA.

     

    A nova lei federal, que entrou em vigor em julho deste ano trouxe importantes alterações no prazo para o casamento civil, reduzindo para até cinco dias o prazo de emissão da habilitação de casamento — procedimento no qual os noivos apresentam a documentação – e que já autoriza a realização do matrimônio. Após a entrega do certificado de habilitação, o casamento pode ser realizado em até 90 dias. Também se excluiu a necessidade de participação do Ministério Público no processo, salvo em caso de oposição de impedimento ao casamento. Está prevista, para outubro, o lançamento de uma plataforma nacional para casamentos virtuais.

     

    Mudança de Nome

     

    Alterar o primeiro nome diretamente em Cartório de Registro Civil, independentemente de prazo, motivação, gênero, juízo de valor ou de conveniência (salvo suspeita de vício de vontade, fraude, falsidade, má-fé ou simulação) e de decisão judicial, também passou a ser permitido no Brasil a qualquer pessoa maior de 18 anos e possibilitou 49 mudanças no primeiro mês da nova regra.

     

    Para realizar o ato diretamente em Cartório de Registro Civil é necessário que o interessado, maior de 18 anos, compareça a unidade com seus documentos pessoais (RG e CPF). O valor do ato é o custo de um procedimento, tabelado por lei, e que varia de acordo com a unidade da federação. Caso a pessoa queira voltar atrás na mudança, deverá entrar com uma ação em juízo. Feita a alteração, o Cartório de Registro Civil a comunicará aos órgãos expedidores do documento de identidade, do CPF e do passaporte, bem como ao Tribunal Superior Eleitoral, preferencialmente por meio eletrônico.

     

    Nome do recém-nascido

     

    A lei também inovou ao permitir a mudança de nome de recém-nascido em até 15 dias após o registro, no caso de não ter havido consenso entre os pais sobre como a criança vai chamar. Esta inovação, que também poderá ser realizada diretamente em Cartório de Registro Civil no período acima mencionado, possibilita a correção em muitos casos onde a mãe está impossibilitada de comparecer ao cartório em razão do parto e o pai ou declarante registra a criança com um nome diferente do combinado.

     

    Para realizar a alteração do nome e do sobrenome do recém-nascido é necessário que os pais estejam em consenso, apresentem a certidão de nascimento do bebê e os documentos pessoais (CPF e RG). Se não houver consenso entre os pais, o caso deverá ser encaminhado pelo Cartório ao juiz competente para a decisão.

    DEIXE UMA RESPOSTA